Portuguese English Spanish

Métodos preventivos, histórico de epidemias e os desafios de abordagem para os jovens sobre a AIDS e o HIV, foram os principais temas abordados durante a palestra deste sábado (2), na Sede do Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP, em São Luís. As explicações ficaram por conta do Coordenador municipal de IST/AIDS e hepatites virais, Wendell Alencar, que também participou do Projeto “A Vida Continua”, realizado pelo IBRAPP no Dia Mundial de Combate a AIDS. A palestra foi o encerramento da iniciativa realizada anualmente pelo Instituto.


Transmitido simultaneamente para todos os escritórios onde o IBRAPP possui representação, o evento teve início com os agradecimentos do coordenador de licitação, Amaury Andrade, a todos os Ibrappianos envolvidos no Projeto “A vida Continua”. Como um dos gestores da ação, Amaury destacou o grande número de preservativos distribuídos, no dia primeiro deste mês. Foram mais de 20 mil unidades, superando a marca de 15 mil prevista para o evento.

 
A campanha foi pensada com o apoio do setor de comunicação, que além do mote principal, também criou peças de divulgação externa para a conscientização do público. O esforço em conjunto também contou com a colaboração do setor de Segurança do Trabalho (SESMT). Ainda de acordo com o gestor a ideia principal do IBRAPP é mostrar que existe vida além do diagnóstico do vírus. “A vida não se encerra quando você descobre que é soropositivo. Você continua vivendo e continua sonhando”, finaliza Andrade.


Durante a palestra principal, Wendell Alencar destacou o contexto histórico das epidemias de AIDS no Brasil, falou ainda sobre as possíveis origens do vírus e como o cenário epidemiológico mudou ao longo dos anos. “segundo alguns estudiosos defendem que o HIV é milenar e o que vivemos na década de 80 foram devido aos avanços tecnológicos e descobertas. Teoricamente temos quase 40 anos de epidemia”, explica o Coordenador municipal de IST/AIDS.

Outra questão abordada foi a dificuldade encontrada atualmente para alcançar os jovens a respeito da prevenção contra o vírus e outras doenças sexualmente transmissíveis. Para Wendell o grande desafio é manter um diálogo com a nova geração. “Houve um distanciamento muito grande com os jovens de hoje, quando sentamos para conversar sobre qualquer temática ligada a AIDS não se estabelece um diálogo”, enfatiza Alencar e complementa “é preciso falar de um jovem para outro, para tentar atingir a esse público”.


A palestra finalizou com um momento de esclarecimento de dúvidas do público sobre as doenças sexualmente transmissíveis e as formas de prevenção. Políticas de contenção de danos e as iniciativas públicas também estiveram entre os temas discutidos. A iniciativa “A vida Continua” conta com o apoio de diversos órgão públicos e das secretarias de saúde nos estados onde o IBRAPP está presente e no Distrito Federal.

 

Publicado em Aconteceu no IBRAPP

Existem 40 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo, de acordo com o relatório da UNAIDS. Preocupado com a qualidade de vida dos pacientes que convivem com a doença e com os esclarecimentos sobre a transmissão do vírus, o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP realiza a campanha “A vida continua”, no dia primeiro de dezembro. A data escolhida remete ao Dia Mundial da Luta contra a AIDS. A iniciativa do Instituto será realizada com apoio da Secretaria Municipal de Saúde de São Luís (MA) e diversos órgãos públicos no Distrito Federal (DF) e nos estados do Tocantins (TO), Minas Gerais (MG), Paraíba (PB) e Rondônia (RO).

De acordo com o Relatório de Monitoramento Clínico do HIV, publicado pelo Ministério da Saúde, mais de 830 mil pessoas vivem com HIV no país. A Campanha “A Vida Continua” vem com a proposta de reforçar a esperança nas pessoas soropositivas, ou que já desenvolveram o vírus da AIDS. Para gestor da ação, o coordenador de licitação do IBRAPP, Amaury Andrade, é fundamental mostrar uma nova perspectiva sobre a doença. “A vida não acaba quando o paciente descobre que é portador do vírus. Este foi um novo olhar que o Instituto deu à temática da prevenção e combate à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS)”, explica Amaury.

Para o Coordenador Municipal de IST, AIDS e Hepatites Virais, de São Luís, Wendell Alencar, a participação de instituições como o IBRAPP em conjunto com o poder público são fundamentais para desenvolver atividades eficazes para a prevenção e combate à AIDS. “Não há como a gente executar nenhuma política pública, sem a participação de parceiros”, frisa Wendell. Ele reforça ainda que quando ações assim, como a do Instituto, são executadas o engajamento da população é ainda maior “As parcerias chegam até onde a resposta governamental não chega. O que percebemos é que quando são realizadas as campanhas, mais pessoas procuram fazer os testes”, finaliza o coordenador.

A iniciativa é realizada simultaneamente em todos os estados onde o IBRAPP possui representação, e atua através da prestação de serviços ao Poder Público. Durante a ação “A vida continua” serão distribuídos 15 mil Kits informativos, além de preservativos femininos e masculinos. O conteúdo que será entregue à população possui dados sobre contágio, informações sobre tratamento e prevenção do HIV.

Sobre HIV e AIDS - A doença ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos, células que atuam na defesa do organismo agindo contra infecções, diversas doenças e alergias. Das 40 milhões de pessoas que convivem com a AIDS no Mundo, mais 12 milhões são jovens e aproximadamente 53% destas pessoas tem acesso ao tratamento. De acordo com a UNAIDS, 35% das novas infecções detectadas no Brasil em 2016 foram em jovens de 15 a 24 anos.

O Dia Mundial de Combate – Comemorado em 1º de dezembro, tem por função primordial alertar toda a sociedade sobre essa doença. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil. O objetivo deste dia é promover a troca de informações e experiências, e de criar um espírito de tolerância social para os pacientes soropositivos e que lutam contra a AIDS.

 

Publicado em Notícias

Com o intuito de sensibilizar a população sobre o Câncer Infantil, o Maranhão receberá atividades lúdicas e educativas em diversas instituições entre os dias 23 e 24 de novembro, como parte da segunda edição do Projeto Superação que abrange Fundações e Hospitais voltados para pessoas em tratamento contra o câncer. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que ocorrerão cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes no Brasil por ano em 2016 e em 2017. 

Saiba mais

Publicado em Clipping

O 23 de Novembro é marcado pelo Dia Nacional do Combate ao Câncer Infantil. Nesta data o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP realiza anualmente o Projeto Superação, que consiste no apoio às entidades beneficentes que acolhem pacientes em tratamento e seus familiares. Nesta quarta-feira (22), véspera da mobilização nacional, o Instituto realizou a apresentação do Superação para seus colaboradores. A iniciativa será realizada nas cidades de São Luís (MA), Palmas (TO), Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Frutal (MG), João Pessoa (PB), Porto Velho (RO).



Durante a palestra de abertura, a gestora da ação, a controller Lívia Pires, ressaltou a importância da realização e do engajamento dos Ibrappianos no Projeto superação. Todos foram estimulados a participar de forma voluntária com na realização de atividades lúdicas, entrega de donativos e visita aos pacientes acolhidos pelas fundações atendidas, do evento.

 

Instituições Beneficiadas em 2017

Fundação Antônio Brunno e Fundação Antônio Dino - MA
Casa do Menino Jesus - DF;
Centro de Apoio a Portadores de Câncer - MG;
AVCC - Associação Voluntária de Combate ao Câncer - Frutal/MG;
Casa da Criança com Câncer - PB;
Casa de Apoio Vera Lúcia – TO;
Hospital Regional de Cacoal (HRC) – Cacoal/RO.



Sobre o câncer infantil - Dados do Inca, mostram que a mortalidade por câncer entre crianças e adolescentes no Brasil está estável, sendo, atualmente, a primeira causa de morte por doença na faixa etária de 1 a 19 anos. Os tipos de cânceres infanto-juvenis mais comuns são as leucemias, seguidos dos linfomas (gânglios linfáticos) e dos tumores do sistema nervoso central (conhecidos como cerebrais). O número de óbitos por câncer nessa faixa etária é menor apenas do que o de causas externas, como os acidentes e violência. No Brasil, o câncer infantojuvenil responde por 3% de todos os tipos de câncer.


Sintomas - Entre os sintomas de câncer em crianças estão: palidez, hematomas, sangramento, dor óssea, perda de peso inexplicada, caroços ou inchaços, alterações oculares, inchaço abdominal, dores de cabeça persistente, vômitos e dor em membro, inchaço sem trauma.


Publicado em Aconteceu no IBRAPP

Segundo o Instituto Nacional de Câncer - INCA, estima-se que ocorrerão cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes no Brasil por ano em 2016 e em 2017. Com o intuito de sensibilizar a população sobre o Câncer Infantil, e realizar um momento de lazer para pacientes que enfrentam a doença, o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas - IBRAPP realizará atividades lúdicas e educativas em diversas instituições entre os dias 23 e 24 de novembro. As ações fazem parte da segunda edição do Projeto Superação que abrange Fundações e Hospitais voltados para pessoas em tratamento contra o câncer nas cidades de São Luís (MA), Palmas (TO), Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Frutal (MG), João Pessoa (PB), Porto Velho (RO).

Para mobilizar a sociedade sobre a importância do diagnóstico precoce da doença serão realizadas atividades recreativas, jogos educativos e apresentação de vídeos infantis em seis organizações que prestam apoio e acolhem os pacientes e suas famílias que enfrentam e buscam a cura do Câncer. O Projeto Superação também conta com uma programação voltada para os pais e responsáveis através de orientações sobre direitos e como acessar aos serviços de assistência social, além de doações de brinquedos, livros infantis, cestas básicas, materiais de limpeza  e materiais de higiene e uso pessoal.

Para a gerente da ação no Projeto, Lívia Pires, o acesso aos serviços de saúde especializados e de alta complexidade no Brasil ainda é um desafio. Ela afirma que as casas de apoio são muito importantes, e desempenham um papel fundamental, pois estes espaços dão o auxilio aos pacientes diagnosticados ou em tratamento contra o câncer, que chegam em busca de  tratamento, porém não tem onde ficar, se hospedar e hospedar seu filho, enquanto aguardam por atendimento ou que já iniciaram tratamento.  “Estas instituições muitas vezes precisam de doações e serviços voluntários ao longo do ano, embora haja as políticas de assistência a saúde e social para os pacientes, muitas delas não possuem recursos financeiros para se manter enquanto a criança passa pelo tratamento. As casas de apoio por sua vez, encontram dificuldades também, pois nem sempre os recursos são suficientes para atender a demanda”, pontua, Lívia. “E é neste momento que podemos ajudar. Precisamos, enquanto cidadãos, fazer a nossa parte, com divulgação das informações, doações e trabalho voluntário, para que não faltem condições para que estes pacientes e seus acompanhantes tenham acesso aos tratamentos contínuo e sejam assistidas”, explica a gerente da ação, ao incentivar a cidadania através do Projeto.

 


Segundo o Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, ao lançar neste ano de 2017, as diretrizes para o atendimento precoce de câncer em crianças e adolescentes, o que dificulta, em muitos casos, é a suspeita e o diagnóstico do câncer nas crianças e nos adolescentes devido ao fato dos sinais e sintomas serem comuns à outras doenças. “Em alguns casos, as famílias recorrem á assistência médica várias vezes, e o paciente pode ser diagnosticado já com a doença avançada”, esclarece o Secretário. O câncer infanto-juvenil engloba, na verdade, vários tipos de câncer. As leucemias representam o maior percentual de incidência 26% nessa faixa etária, seguida dos linfomas (14%) e tumores do sistema nervoso central (SNC) (13%).


Sobre o Projeto Superação – É uma ação social desenvolvida pelo IBRAPP com vista à promoção da saúde, que visa mobilizar organizações sociais, usuários dos serviços de saúde e a sociedade civil sobre a prevenção, o diagnóstico precoce para o aumento das chances de cura, bem como as formas de tratamento do câncer infantil. O Projeto está em sua segunda edição e as ações, realizadas durante quatro dias de eventos, fazem alusão ao Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil (23 de novembro) a data foi criada em abril de 2008, para estimular ações educativas e preventivas  de modo a conscientizar a necessidade do diagnóstico precoce  relacionadas ao câncer infantil.

Instituições Beneficiadas


Fundação Antônio Brunno e Fundação Antônio Dino - MA
Casa do Menino Jesus - DF;
Centro de Apoio a Portadores de Câncer - MG;
AVCC - Associação Voluntária de Combate ao Câncer - Frutal/MG;
Casa da Criança com Câncer - PB;
Casa de Apoio Vera Lúcia – TO;
Hospital Regional de Cacoal (HRC) – Cacoal/RO.


Sobre o IBRAPP - O Instituto é uma organização social sem fins lucrativos, criada com a finalidade de contribuir para a promoção das políticas públicas e cooperar com o desenvolvimento institucional e a gestão pública na execução e efetivação dos serviços públicos.

Contatos:
Instituto Brasileiro de Políticas Públicas (IBRAPP)
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.; projetosuperaçãO endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

(98) 2106.5580 – São Luís (MA);
(61) 3226.4238 – Brasília (DF);
(31) 3032.3350 – Belo Horizonte (MG);
(83) 3191.5389 – João Pessoa (PB);
(63) 4101.2913 – Palmas (TO);
(69) 3016.0774 – Porto Velho (RO)

 

Publicado em Notícias

Após o Outubro Rosa, campanha voltada para chamar a atenção sobre a cura e a prevenção do câncer de mama, o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP inicia uma nova ação para conscientizar a população sobre outro tipo de câncer, o de próstata. Através do apoio ao Novembro Azul, uma iniciativa realizada mundialmente com foco na saúde do homem, o Instituto visa alertar sobre esta doença e diminuir o preconceito em relação à busca pela saúde masculina. Durante todo o mês de novembro os ibrappianos atuarão como agentes multiplicadores, através do uso de camisas azuis com frases que incentivam a prevenção da doença.


No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). E de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), mais do que qualquer outro tipo, este é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Para o gestor da Ação no IBRAPP, Fábio Daniel, estas ações são fundamentais para encorajar os colaboradores e a própria sociedade na realização do exame para  uma melhor qualidade de vida. “O Instituto possui uma grande preocupação em relação ao bem estar público e ao apoio a movimentos nacionais que podem mudar a realidade das pessoas. O diagnóstico precoce, um alerta sobre os sintomas das doenças pode ser a diferença para o aumento da chance de cura do câncer”, enfatiza o gestor.


Já a gestora de contratos, Fabiana Diniz, pontua que as ações denotam o compromisso do IBRAPP dentro dos órgãos que representa, através de contratos de serviço e de gestão. “Os contratos são firmados para contribuir com o desenvolvimento do Serviço Público e apoiando ações como estas demonstram a nossa preocupação com a saúde dos ibrappianos, bem como a dos servidores e população em geral que transita nas instituições públicas”, explica Fabiana. Os colaboradores farão o uso das camisas azuis três vezes por semana até o final do mês de novembro, a exemplo da ação realizada no Outubro Rosa.


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: uma destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e outra voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento). No caso do câncer de próstata a detecção se dá por meio de exames de rotina como dosagem de PSA e toque retal.  Neste segundo ano do IBRAPP no Novembro Azul, as ações se concentram no Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Rondônia e Tocantins, dentro dos órgãos onde o Instituto exerce atividades.

Publicado em Notícias

Durante todo o mês de Outubro o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP adere a Campanha do Outubro Rosa. As ações de conscientização sobre o diagnóstico precoce e as chances de cura se estendem a todos os contratos executados pelo Instituto. Neste segundo ano da ação os colaboradores os colaboradores do IBRAPP se integraram projeto em prol da conscientização sobre a doença em cinco estados e no Distrito Federal, onde o Instituto realiza serviços ao poder público. Os ibrappianos atuam como agentes multiplicadores dentro dos órgãos e para sociedade em geral, através do uso de camisas com frases que incentivam o autoexame. O Inca (Instituto Nacional do Câncer) calcula que, em 66% dos casos, é a própria mulher quem detecta os primeiros sinais do câncer de mama.

 

O IBRAPP reconhece que é natural amedrontar-se diante da possibilidade de um diagnóstico de câncer, entretanto temos consciência de que deve existir espaço para falar sobre o assunto e encorajar a população a prevenir-se. Dados do Inca apontam ainda que a taxa de sobrevida após 5 anos após o diagnóstico é de 88% quando a doença é descoberta ainda no primeiro estágio. É bom lembrar que a prevenção começa pelos bons hábitos, já que obesidade, ingestão de bebidas alcoólicas e sedentarismo favorecem o surgimento da doença. No Distrito Federal as ações do Outubro Rosa foram realizadas no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), no Ministério das Relações Exteriores (MRE) e na Secretaria dos Portos (SEP). Já em Minas Gerais as ações se concentraram na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na prefeitura de Brasília de Minas e no Hospital Frei Gabriel, no município de Frutal.

 


No Maranhão, a abertura do evento se deu na sede do IBRAPP, em São Luís, e as ações foram realizadas na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), na Secretaria de Segurança Pública (SSP/MA) e no Tribunal de Justiça do Estado (TJMA).

 


Na Paraíba os colaboradores da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT-13), do Ministério Público Federal (MPF - PB), da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU - PB) e do Instituto Federal da Paraíba – Campus Patos, também participam do Outubro Rosa.

 

 

Em Palmas, no Tocantins, a iniciativa levou a Receita Federal (RF/TO) e a Polícia Federal (PF/TO) a conscientização sobre o câncer de mama. E em Rondônia, o IBRAPP levou a ação para a Superintendência de Gestão de Suprimentos, Logística e Gastos Públicos Essenciais – SUGESPE.

 

 

As ações do IBRAPP no Outubro Rosa continuam até o final do mês símbolo da causa e são realizadas anualmente, seguidas do Novembro Azul, que visa conscientizar a população a respeito do câncer de próstata. As mobilizações no Instituto ocorrem de forma contínua e com iniciativas pontuais, realizadas anualmente, junto às movimentações nacionais.

 

 

 

 

Publicado em Notícias
Quinta, 05 Outubro 2017 15:59

Abertura do Outubro Rosa 2017

Durante todo o mês de Outubro o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas – IBRAPP adere a Campanha do Outubro Rosa. As ações de conscientização sobre o diagnóstico precoce e as chances de cura se estendem a todos os contratos executados pelo Instituto. No Maranhão, a abertura do evento se deu na sede do IBRAPP, em São Luís, com apresentação cultural do grupo “Mulheres guerreiras” e a presença de representantes do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão (SINTSEP).


Para o gestor da ação, Fabio Daniel, este evento anual do IBRAPP é de extrema importância para conscientizar a sociedade a respeito do câncer de mama. “É uma doença que pode ser evitada, é preciso fazer o autoexame. Se sentir algo estranho vá ao médico, pois esta doença tem tratamento e tem cura”, recomenda o gestor.


A gestora de contratos, Fabiana Diniz, comandou a apresentação da cerimônia de abertura, que foi transmitida via vídeo conferência para todos os estados em que o Instituto possui representação. Na ocasião ela comentou o engajamento dos ibrappianos no Outubro Rosa e agradeceu ao SINTSEP pela parceria deste ano. A representante do sindicato, Jucelina Vale, comentou sobre a relevância deste tipo de ação. “Atos como esse que estamos fazendo mostram que estamos preocupados com a prevenção e a qualidade de vida de todos”. Finalizou Jucelina.



A abertura do mês de combate ao câncer de mama no IBRAPP encerrou com uma apresentação teatral e musical do grupo “Mulheres guerreiras”, que trouxe a dramatização de diversas personagens femininas com representatividade histórica como: Chiquinha Gonzaga, Carmem Miranda, Maria Inês Aragão e Maria Bonita. As ações As ações do IBRAPP no Outubro Rosa continuam até o final do mês símbolo da causa e são realizadas anualmente, seguidas do Novembro Azul, que visa conscientizar a população a respeito do câncer de próstata.

Publicado em Aconteceu no IBRAPP

O Instituto Brasileiro de Políticas Públicas - IBRAPP realiza a segunda edição do projeto “Sonho de Menina, Realidade de mulher”. A iniciativa promove educação, saúde e lazer para a população em situação de vulnerabilidade social no Maranhão. Este ano as ações contemplam as comunidades na área da Cidade Olímpica e visam atender mais de 200 jovens, na faixa etária  de 12 a 18 anos.  O evento será realizado das 9h às 17h, no dia 18 de maio, data que marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.


A iniciativa terá uma programação aberta ao público com rodas de conversas, serviços à comunidade, oficinas educativas e atividades lúdicas. O projeto “Sonho de Menina, Realidade de Mulher”, atua em três eixos principais divididos em: empoderamento de mulheres e meninas, saúde e combate ao abuso e exploração sexual. O objetivo da ação é promover uma articulação social junto às comunidades, através da educação para igualdade de gênero e temas relacionados ao Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA.


Dentro do cronograma do evento estão: atendimentos de saúde, realizados pela Escola de Enfermagem Ana Neri; agendamento e consulta ao Cadastro Único do Governo Federal (CadÚnico); cortes de cabelo e manicure com profissionais do Instituto Embelleze e ainda, atendimentos jurídicos com uma equipe da Defensoria Pública do Estado. Esta edição, diferente da anterior, contempla um público misto, uma forma que o IBRAPP encontrou para conscientizar os meninos e rapazes desde cedo sobre o papel da mulher na sociedade, e sobre a importância da equidade de gênero.  


Sobre o dia 18 – No dia 18 de maio de 1973, uma menina de 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada no Espírito Santo. Seus agressores nunca foram punidos. Após a repercussão do caso, o movimento em defesa dos direitos de crianças e adolescentes conquistou a aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000 que instituiu o 18 de maio como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”. A Lei tem o objetivo de mobilizar a sociedade pelo fim da violência sexual e pela luta dos direitos da criança e do adolescente.


 

Publicado em Notícias
Download Free Premium Joomla Templates • FREE High-quality Joomla! Designs BIGtheme.net